O canalha contemporâneo

“Ele era só mais um adulto congelado na adolescência; normal, amoral, plausível, sem raízes, semi-educado, de bom papo, no seu terno sob medida, com uma ânsia insaciável por dinheiro, poder e respeito, não importa de onde ele os conseguisse. Segundo o grandioso provérbio de Friedrich Schiller, contra a estupidez humana os deuses lutam em vão. Mas o que os deuses, e os humanos razoáveis, enfrentam não é a estupidez, de maneira nenhuma. É a pura, puta, devassa indiferença a qualquer interesse que não seja o seu.”

Conhece alguém parecido?

Eu conheço. Mas não conhecia uma descrição tão perfeita. 

O trecho acima é minha versão de um trecho de “A Delicate Truth”. No Brasil,  “Uma Verdade Delicada.”

É por parágrafos assim – e por sua firmeza moral resignada, em um mundo que reconhece amoral e ambíguo – que sigo lendo John Le Carré.